Buscar
  • Requião

Ausência do Paraguai não vai impedir reunião do Parlasul em dezembro


(E/D) Em primeiro plano, senadores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Roberto Requião (PMDB-PR) e Renan Calheiros (PMDB-AL) durante sessão deliberativa. Ao fundo, o senador Cícero Lucena (PSDB-PB) e a senadora Ana Amélia (PP-RS)

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), indicado para a vice-presidência do colegiado,  explicou que a representação brasileira decidiu apoiar uma proposta apresentada pelo presidente do Parlasul para que a reunião de dezembro seja realizada mesmo com a ausência de alguma bancada.

– Queremos que o Paraguai volte ao Parlasul, mas a volta do Paraguai só será oficializada com a ida do país a uma reunião. A reunião de novembro foi suspensa, porque o Paraguai decidiu não comparecer, e nada impede que a gente faça a reunião com os outros países – disse o senador.

Requião também informou que há a ideia de adotar no Parlasul um dispositivo já usado no Mercosul, que é o fast track. Desta forma, explicou, se algum país faltar às sessões do parlamento, as decisões poderão ser tomadas e o país faltoso terá 30 dias para contraditar o que foi definido. Se isso não acontecer, prevalece o que foi aprovado.

– Nós não podemos continuar com as idiossincrasias de governos em determinados momentos, que impedem a continuidade do Parlasul. Esse poder de veto pela ausência tem que desaparecer – afirmou.

Para Requião, todo entrave ao funcionamento do Parlamento do Mercosul prejudica a integração regional, retardando as possibilidades de uma ação conjunto dos países do bloco para enfrentar a crise econômica global. “O Parlasul é requisito  essencial para fazer avançar a integração. E sem uma forte, sólida integração continental cada um dos países da região será presa fácil dos países do Norte”,  afirmou o senador.

Depois de ter presidido o Representação Brasileira por dois anos, o senador Roberto Requião foi indicado para a vice-presidência do Parlasul, condição que o fará presidente do colegiado, já que esta função é rotativa.

Foto: Wladimir Barreto / Agência Senado

(Com Agência Senado)

0 visualização